Highlights da Maison & Object Paris 2019

Com mediação de Ricky Hiraoba, os jornalistas Marcelo Lima, Mônica Barbosa e Silviane Neno palestraram sobre as Highlights da Maison & Object Paris 2019, no último dia 20, em São Paulo. As conclusões são que o Prêmio Rising Talents de 2019, reconhecido como o grande evento para a comunidade global de design, organizado pela M&O, mira para o leste, graças a rápida ascensão da cena do design chinês. O recente germinar do design chinês reflete o intuito do país em se tornar um integrante da cena da criatividade e inovação. A vida de hoje em dia na China é dinâmica, e o rápido crescimento da área do design reflete a maior amplidão no progresso e crescimento da sociedade. Esta década de mudanças está moldando uma nova personalidade para a China, com padrões cada vez mais altos de profissionalismo e um comprometimento renovado com o artesanato, inovação e qualidade. Isto têm impactado em como os próprios designers se veem, e também em como seu trabalho é visto na China – e no mundo. Ocupados explorando novas formas de pensar sobre design, alguns preferem mergulhar fundo na psiqué chinesa em busca de sua inspiração, enquanto outros abraçam o multiculturalismo. Júri do prêmio Rising Talents, Luca Nichetto diz: ‘’O que há de mais interessante é que os designers chineses têm buscado por sua identidade incessantemente, para não se limitarem a serem somente mais uma versão do design ocidental, e sim aproveitar toda sua rica herança secular de artesanato e tradições hereditárias. Tudo indica que eles estão indo pelo caminho certo.’’ O desafio será criar sob a reputação do país, conhecido mundialmente como o líder na cadeia de fornecimento industrial, e achar novas formas de oferecer oportunidades a esses jovens designers. Essa empreitada anda de mãos dadas com uma crescente consciência social e ambiental entre os designers, sendo que para alguns está tornando-se uma prioridade pensar em como seu trabalho impacta o mundo. Assim como os designers têm mudado, os amantes do design chinês, também. Diz Luca Nichetto: “Atualmente, a classe média chinesa está começando a enxergar o design como uma forma de arte, mas como o design pode pender-se mais como algo funcional, será interessante ver como isso afetará os designers chineses, e o quê nós do Ocidente vamos aprender com isto. Pessoalmente, minha esperança e objetivo tem sido me concentrar em artesanatos de alto padrão e história – objetos para se orgulhar de possuir, admirar e passar para a próxima geração.” O processo de seleção deste ano incluiu cinco jovens designers elencados por membros do juri Rising Talents, e um jovem designer selecionado através de um ‘’call for entry’’. Frank Chou, Chen Furong, Mario Tsai, Hongjie Yang, Ximi Li e Bentu classificam-se como alguns dos novos talentos mais brilhantes do design no país nos dias de hoje. Diz um dos membros do júri, Lyndon Neri de Neri & Hu: “Com o rápido crescimento da economia chinesa e a necessidade de um expressão cultural própria, vemos um grande número de designers emergentes que começaram a criar sua própria voz, que lidam com questões como patrimônio e identidade.” Embora seus estilos possam divergir, uma coisa é clara: esses seis talentos estão estabelecendo novos padrões, enquanto equilibram as demandas criativas versus comerciais. “A China é, há muitos anos, a líder da cadeia de suprimentos para industrias, e está se transformando rapidamente em um viveiro de oportunidades para designers locais e globais”, diz Luca Nichetto. “Designers chineses estão percebendo o poder de sua própria proximidade a uma potência de fabricação, e estão levando isso como uma vantagem.” Nascido e criado na capital da China, Pequim, Frank Chou testemunhou em primeira mão as dinâmicas mudanças em andamento em sua cidade natal ao longo das últimas décadas. Em 2012 Chou abriu o Frank Chou Design Studio, onde produz peças elegantes, funcionais e duradouras. O designer, que representa o pensamento chinês contemporâneo, atraiu atenção mundial em exposições internacionais e ao colaborar com marcas globais, tanto como designer quanto consultor estratégico. Chen Furong, fundador da marca WUU de iluminação, mobiliário e acessórios, desenha atemporalmente, trazendo coleções que misturam técnicas artesanais com uma visão modernista. Estudou no Shanghai Institute of Visual Artes, com especialização em Design Integrado e após a formatura em 2012, viajou com amigos mais de 10.000 quilômetros em toda a China em uma van, entrevistando célebres locais para uma exposição chamada Metafísica. Furong fundou seu estúdio em Xiamen em 2014 e mais tarde naquele ano participou da Homeland Program Artisanship Revival, onde trabalhou de perto com artesãos locais em Fuzhou, combinando tecnologia com o artesanato tradicional. O designer industrial, de produto e móveis Mario Tsai prefere a máxima ‘’use menos, desenhe mais’’. Depois de se formar na Beijing Forest University, em Design e Fabricação de Móveis, Mario viajou pela China e Nepal para experimentar diferentes lifestyles. Se mudou para Hangzhou em 2013, onde abriu uma loja com seu irmão mais novo, e em 2014 montou o estúdio Mario Tsai. Trabalhou com clientes da China e Europa, e tem participado de feiras de móveis em todo o mundo. Hongjie Yang nasceu e foi criado na China. Adulto, foi estudar nos EUA e na Design Academy Eindhoven, na Holanda, onde mora. Suas obras, poderosas, que exploram a divisão entre natureza e cultura, os nascidos e os feitos, têm sido amplamente exibidas pelo mundo. Nascido em Xangai, Ximi Li é bacharel em Design Industrial pela Academia de Artes da China, e mestre em mobiliário pela Universidade Politécnica de Milão. Trabalhou para os principais designers italianos como Andrea Branzi, Luca Trazzi e, ao retornar a Xangai se juntou a Neri & Hu, atuando como chefe de design por 06 anos. Em 2016, Ximi lançou seu estúdio de design, Ximi Li, e a marca de móveis URBANCRAFT. Trabalhando para criar peças atemporais que integram Oriente e Ocidente, Ximi é comprometido com a fusão cultural global, qualidade e bom artesanato. O diretor de design Chen Xingyu fundou a marca de design Bentu ao lado de Xu Gang, Peng Zeng e Chen Xingguang em 2011. Ex-graduado em Design Industrial da Universidade de Guangzhou, Xingyu trabalha para enfrentar os problemas levantados pelo crescimento desenfreado da sociedade, reciclando materiais que outros podem julgar como meros resíduos – cinzas de carvão, restos de construção e farelos de ossos – e transformá-las em móveis, iluminação e acessórios. Seu estúdio em Guangzhou é conhecido por experimentação, exploração e inovação, combinando materiais ecológicos com os recursos comerciais, uma abordagem que ganhou numerosos prêmios, incluindo um Red Dot Design Award em 2017. Como se vê, a China vem aí, e vem com tudo!

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *