De frente para o mar da Ligúria

Só se chega ali a pé, por uma velha trilha em meio a um bosque de castanheiras e vegetação densa. A casa  fica na costa da Ligúria, mais especificamente em Cinque Terre, batizada assim por tratar-se de um conjunto de cinco antigas aldeias. “Meu companheiro e eu frequentamos esta área há mais de 15 anos. Tivemos outra casa aqui, nosso refúgio por muitos fins de semana e feriados”, conta a proprietária, a diretora de arte e designer de interiores Stella Orsini. “Esta construção rural se encontrava em ruínas, em um terreno vizinho ao nosso. Depois de tanto olharmos para ela, vendo os espinheiros se apossarem cada vez mais de sua estrutura, resolvemos comprá-la.” Tamanha precariedade impossibilitou uma reforma: foi preciso demolir tudo e reconstruir da estaca zero, com a maior parte do material complementar entregue de helicóptero. Por sorte, reaproveitou-se o mais pesado, as pedras originais que formam as paredes. Complexa e mais precisa do que pode parecer, a etapa de reerguê-las coube a artesãos especializados. Dedicado, o casal assumiu a caiação e a pintura, aplicou proteção antiferrugem nos metais, montou os móveis e plantou uma horta. “De certa forma, somos gratos à quarentena. Durante esse período, trabalhamos tanto que terminamos a casa, o que não teria sido possível se só viéssemos aos fins de semana.” Diante do panorama único que descortina céu e mar, a tiny house se basta com seus 35 m². Há apenas um quarto, um banheiro e uma sala de estar com cozinha aberta. Os interiores, com a caiação em tonalidades claras, o piso de ardósia escura e a madeira castanheira, presente na armação do telhado, lembram uma morada de campo da Europa central. Do ponto de vista energético, o lar é quase autossuficiente: painéis solares geram eletricidade, o gás vem de botijões e o aquecimento fica por conta de uma salamandra no canto da área social. Apenas o abastecimento de água está conectado à rede pública. Quanto ao mar, ele está logo ali, diante dos olhos. Porém, para alcançá-lo, é preciso percorrer uma trilha e descer grandes lances de escada e caminhos íngremes. Os 1.100 degraus valem a pena: desembocam em uma das praias mais belas da costa da Ligúria. Lugar lindo!

via: Casa Vogue por a4eholofote.com.br; Fotos: Monica Spezia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *