Cores e arte em Nova York, por Fawn Galli

Ocasionalmente e mesmo feliz com a vida nos arredores/campos de Nova York, a família precisou se mudar para a cidade. “Eu estava nervosa em me mudar para o Upper East Side”, diz Erica Samuels, consultora de arte cujo estilo de decoração está mais para Etheline Tenenbaum do que Charlotte York (personagens dos filmes The Royal Tenenbaums e da série Sex and the City, respectivamente). Havia apenas uma designer que poderia traduzir com sensibilidade os desejos para a nova casa de quatro quartos da família de Samuels. “As pessoas vêm a mim porque sabem o que gostam, mas querem ser desafiadas ou empurradas”, diz Fawn Galli, cujo primeiro livro, Magical Rooms: Elements of Interior Design, lançado pela Rizzoli, chegou às livrarias em março. Seus interiores exalam uma confiança alegremente desenfreada. Afinal, Galli vivia sem eletricidade ou encanamento em uma casa flutuante no norte da Califórnia até os sete anos, e depois há Paris, onde passou dois anos pós-faculdade frequentando os mercados de pulgas e discotecas. Então, quando se mudou para a cidade de Nova York, armada com pouco mais de um diploma em relações internacionais, conseguiu um emprego na Robert A. M. Stern “como apontadora profissional, assistente da assistente”. Mas não por muito tempo, ela lembra: “Cinco anos depois, eu era sua decoradora pessoal”, conta ela. A decoração do apartamento onde Samuels mora com o marido e as duas filhas é uma mescla de suas andanças pela vida. O sofá em forma de S de bouclé cobalto, acomoda multidões durante as festas frequentes do casal, o tapete Alexander McQueen da Rug Company, faz contraponto com o sofá circular ladylike no hall de entrada. A coleção de arte de Samuels inclui vários trabalhos dignos de museu, como o Fancy Room, de David Shrigley, acima da mesa de jantar, e um Keith Haring. “Há muito movimento, mas ao mesmo tempo, é limpo e repousante”, diz Galli, que usou cinzas e brancos para manter as peças mais ousadas como protagonistas. Como a casa é a morada de duas crianças, o projeto também deve resistir bravamente aos excessos infantis. Ao invés de vidro para uma mesa de café, Galli usou um material sintético, Lucite. Em vez de tecidos caros nas cadeiras, a escolha recaiu em revestimentos confortáveis e resistentes. A cama de dossel no quarto da filha é estofada, “para que eles possam pular e bater a cabeça sobre ela, e ficarem bem”, diz a designer. E há tecido interno/externo durável em todos os lugares. Agora que Galli entregou uma casa perfeita para a família, Samuels está obcecada com seu novo bairro. “Eu disse que nunca iria morar na cidade, nunca iria viver em uma rua transversal, mas eu moro aqui agora e adoro isso. Então nunca diga nunca!” Ela ri. 

Fawn Galli: https://www.fawngalli.com/

via: HouseBeautiful

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *