A obra descolada da fotógrafa iraniana Gohar Dashti

A fotógrafa iraniana Gohar Dashti nasceu em Ahwaz durante os primeiros anos da Revolução Islâmica e cresceu durante a guerra Irã-Iraque. Suas memórias pessoais deste tempo influenciaram sua série de 2017, Home, que analisa o que acontece após o deslocamento humano. Nas fotografias, grandes espaços abandonados estão cheios de plantas abundantes, consubstanciando os espaços com um crescimento exuberante que destaca a ausência da vida humana. “Na coleção Homemoved as pessoas saem e as imagens mostram o que acontece quando a casa é deixada para trás”, explica ela.  O ponto de partida da artista é sempre seu entorno, sua memória, mas com uma percepção muito pessoal das coisas. Ela tenta traçar seu relacionamento com a sociedade e o mundo da maneira mais sensível. Sua prática se desenvolve continuamente a partir dos eventos da vida e da conexão entre o pessoal e o universal, o político e o fantasiado. Dasti participou de várias residências de arte e bolsas de estudo como MacDowell Colony, Peterborough, NH, EUA (2017), prêmio DAAD, UdK Berlin, DE (2009-2011); Visiting Arts (Projeto 1Mile2), Bradford/Londres, Reino Unido (2009) e Artes e Artistas Internacionais (Art Bridge), Washington DC, EUA (2008), além de realizar exposições em todo o mundo, em festivais e bienais. Seus trabalhos estão em várias coleções, incluindo Victoria and Albert Museum, em Londres, Mori Art Museum, em Tóquio, Museu de Belas Artes, em Boston, Museu Smithsonian e Galeria Nacional de Arte, ambos em Washington, Nelson Museu de Arte Atkins, em Kansas City, Museu de Fotografia Contemporânea em Chicago, todos na América, e Kadist Art Foundation, na França, em Paris. “As fotografias revelam o poder da natureza para consumir e conquistar um lar.” Não é lindo e super poético?? Adorei!! 

http://gohardashti.com/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *