A casa linda e colorida da designer Kit Kemp, em Londres I

A estrela do design britânico Kit Kemp continua transformando sua linda casa em Londres, reforma após reforma

Ao invés de arrumar uma nova casa e começar do zero, Kit Kemp, a efervescente designer de interiores britânica que também é diretora criativa e cofundadora, com seu marido, Tim, do grupo Firmdale Hotels, um império internacional de hospitalidade composto por pousadas/hoteis bacanas à beça, e bares e restaurantes, nos EUA e Europa, investe na casa que mora há mais de 20 anos. “Eu já morei em outros lugares antes, mas agora vou ficar por aqui”, explica ela. “Eu não sou de desistir.” O endereço para o qual Kemp prometeu sua devoção e criou três filhas é uma casa de três andares, de tijolos cinza, vagamente medieval em um beco sem saída perto de Hyde Park, na esquina do Royal Albert Hall e alguns quarteirões da Kensington Road, com tráfego intenso. Ainda assim, ela diz, “é quase mais silencioso aqui do que no campo”. Desde que o casal comprou a propriedade da década de 1930, a residência em forma de L passou por uma série de ajustes transformadores, para expressar, a qualquer momento, o que o designer descreve como “a maneira como vivemos agora”. Dormers foram adicionados e janelas foram ampliadas. No início, a garagem na parte de trás da propriedade foi remodelada em um apartamento para uma babá; hoje serve como academia. “Estou sempre tendo um pequeno experimento com isso ou aquilo”, diz Kemp, que chamou seu estilo de colorido e despreocupado. “Meu pobre marido tem que aturar isso”, entrega ela. Há uma década, a cozinha, localizada na frente da casa, foi transferida para a parte traseira do edifício, assumindo o que havia sido uma elegante sala de estar oblonga. “O decorador Robert Kime me disse que sempre aconselha os clientes a colocar a cozinha no melhor cômodo da casa”, observa Kemp sobre o espaço, onde armários feitos sob medida seguem as paredes curvas. “Todo mundo acaba na cozinha de qualquer maneira.” Fora da cozinha, ela e Tim construíram um espaço de jardim de inverno, um volume com paredes de vidro que se conecta a um acolhedor terraço de pedra. O hall de entrada original foi integrado com duas salas de estar para criar um único ambiente que se estende da frente da casa até a parte de trás e conta com duas lareiras de mármore em uma parede comprida. O espaço é conectado a cozinha, apagando um limite tradicional em favor de algo mais descontraído. “Todo o andar é integrado agora”, observa Kemp. “Não é uma ideia original, mas é simplesmente fantástica.” A metamorfose doméstica mais recente dos Kemps foi concluída no último verão e resultou na reconfiguração do piso térreo, além de uma redecoração abrangente. “Levamos anos para sermos corajosos o suficiente para derrubar todas essas paredes”, diz a designer. A glamourosa porta da frente de bronze e vidro foi movida para outro local, e abre para um novo hall de entrada grande o suficiente para suportar a repetição completa de um papel de parede de paisagem Kemp para Andrew Martin, que lembra os murais ingênuos do século XIX itinerante artista americano Rufus Porter. (Kemp também o usou em salas de jantar privadas no Whitby Hotel, em Firmdale, na cidade de Nova York.) O tecido espinha de peixe em rosa quente e laranja reveste algumas das paredes da sala de visitas e se repetem nas cortinas das janelas em arco, junto a tapetes orientais, um banquinho africano pintado, um sofá revestido com uma estampa de romã e um baú espanhol do século XVIII. Os armários da cozinha, anteriormente em carvalho calcário, foram pintados de azul, enquanto as portas francesas para o jardim, várias esquadrias de janelas e estantes de livros em um patamar superior de biblioteca, agora são verde-jade. No hall de entrada um tom de marzipã rosa. Mais? No próximo post, na quinta. Espero você! 

Kit Kemp: https://kitkemp.com/

via: Architectural Digest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *