A casa de Marisa Berenson em Marrakech

Há um glamour que costuma acompanhar qualquer história sobre Marisa Berenson. Seu retrato de batizado foi publicado na Vogue. Elsa Schiaparelli era sua avó materna. Gene Kelly a ensinou a dançar. Diana Vreeland iniciou sua carreira de modelo. Andy Warhol era um amigo querido. Yves Saint Laurent a ungiu como a “garota dos anos 70”, graças em parte aos papéis de protagonista em filmes como Death in Venice, de Luchino Visconti em 1971, Cabaré, de Bob Fosse em 1972 e Barry Lyndon , de Stanley Kubrick em 1975.  Berenson estudou na Inchbald School of Design de Londres aos 16 anos. “Eu sempre decorei minhas próprias casas”, diz ela, acrescentando que pretendia se tornar uma arquiteta antes da sua carreira como modelo decolar. “Este lugar é o meu refúgio. Estou longe do mundo aqui e gosto disso. Então não sei por que fiz essas fotos para a ELLE Decor, Berenson admite com uma risada. Berenson decorou a casa ela mesma, um exemplo de seu talento criativo multifacetado. Há cerca de oito anos, a designer começou a passar mais tempo em Marrakech enquanto projetava um spa para o Sofitel lá e trabalhava em uma linha de cuidados com a pele nas salas de tratamento do hotel. Ela se apaixonou pelo estilo de vida pacífico da cidade; depois de alugar uma série de casas, descobriu um imóvel à venda pelo boca a boca. “Estava completamente abandonado – como uma casa fantasma”, lembra Berenson. “Mas havia uma energia nele. E eu sabia que era um lugar que eu queria transformar.” A designer imaginou a casa como um amálgama veneziano-andaluz, com a ajuda de um arquiteto local que elaborou o novo layout. O pátio central de entrada tem uma fonte clássica coberta de azulejos azuis e brancos de Sevilha, Espanha. O espaço é decorado com sofás antigos, revestidos com tecidos Pierre Frey, usados na maior parte da decoração, e o piso de ladrilhos está coberto de tapetes kilim. A lareira conta com azulejos que Berenson resgatou de um antigo palácio em Sevilha, e o mural de anjos pintado à mão foi inspirado no interior de uma igreja que ela viu na Espanha. Ela também instalou um teto de vidro retrátil, tornando o pátio confortável, mesmo no inverno. Em uma sala de estar ao lado do pátio, estampa de leopardo e sofás coloridos, além de uma lareira de gesso esculpida à mão, quase como uma renda. Uma sala de jantar adjacente, separada por cortinas em tafetá, recebeu luminárias antigas que Berenson garimpou no mercado de pulgas de Paris e uma tela panorâmica chinesa de laca preta que estava originalmente em seu apartamento em Nova York. Uma biblioteca próxima abriga um par de cadeiras Napoleão III que ela resgatou do Château de Ferrières, nos arredores de Paris. “Elas estavam sendo descartados e eu disse: ‘Não, não, não, eu vou ficar com elas,” diz Berenson, que tem talento para fazer reviver tesouros abandonados. Os espaços ao ar livre são igualmente encantadores, com um jardim selvagem e exuberante, um amplo terraço, uma piscina (há também uma coberta para os dias mais frios), horta orgânica e galinheiro. São nove quartos no total. “Eu queria que esta casa fosse um lugar onde todos os meus entes queridos pudessem ficar por um tempo”, explica Berenson, que muitas vezes convoca amigos para almoços festivos e jantares aconchegantes. Uma espécie de inauguração aconteceu há três anos, quando Marisa recebeu mais de 200 pessoas para uma festa comemorando a abertura do Museu Yves Saint Laurent. Foi uma inauguração apropriada, considerando que Berenson visitou Marrakech como modelo nos anos 70, quando Saint Laurent levou uma trupe para a cidade com Pierre Bergé e Loulou de la Falaise. Os dias de modelo de Berenson ainda estão prosperando: ela foi recentemente a estrela de uma campanha para a marca italiana Etro, cujos tecidos de caxemira ela usou em um apartamento parisiense que possuía nos anos 1980. E Berenson tem uma série de projetos de filmes, sobre os quais ela permanece tímida. “Eu nunca esperei que alguma coisa da minha vida acontecesse, apenas sonhei com elas. Eu tinha desejos, mas tudo entrou na minha vida como uma espécie de milagre ”, ela diz sobre sua longa e rica carreira. “É ótimo poder ainda realizar meus sonhos.” Hardecor inclui duas fotos de Marisa Berenson bastante jovem, e maravilhosa, desde sempre. 

via: elledecor.com

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *