Refúgio projetado pelo escritório americano Olson Kundig no Rio de Janeiro

A casa é rodeada pela natureza, com direito a vista para Pau-brasil e Cristo Redentor

Este é um daqueles casos em que não se precisa muito, além de um bom projeto, para uma casa impactante. Mesmo que desconsideremos o privilegiado terreno em que ela está localizada, adjacente ao Parque Nacional da Tijuca e com vista para o Cristo Redentor, no Rio de Janeiro, a residência assinada pelo escritório Olson Kundig se destaca pelas soluções encontradas pelo arquiteto Tom Kundig para aproveitar ao máximo os 140 metros quadrados de área construída. Depois de morar durante muitos anos no centro do Rio de Janeiro, os clientes queriam um refúgio para desfrutar de livros, arte e principalmente da natureza. Por isso, o mote do projeto foi criar uma casa o menor possível. “Este local foi um tanto desafiador por causa da alta umidade e da forma como a selva circundante mantém essa umidade. Usamos concreto e aço, que resistem bem a esse tipo de condição, embora pareçam relativamente leves. Isso permite que a casa “flutue” enquanto a terra flui por baixo dela.”, conta Tom em entrevista ao Janela, revista de design, arquitetura e decoração da editora Olhares. A casa paira sobre o terreno sustentada estruturalmente por dois pilares. Um deles abriga a lareira e compõe o estar térreo, que conta ainda com uma cozinha ao ar livre. No andar superior, um estar integrado e o único quarto, escondido pelas palmeiras juçara e outras árvores que já existiam no local. Uma delas, inclusive, rendeu um pedido especial aos arquitetos: “Preservar um amado Pau-brasil ao lado da casa. Durante o projeto, posicionamos cuidadosamente o espaço principal para deixar a vista livre para a árvore.” A casa se mistura com elegância e rigor à paisagem tropical. Técnicas de construção local foram aplicadas em quase todo o projeto, incluindo paredes de concreto em forma de placa e paredes de gesso colorido sobre terracota. Os pisos são de madeira brasileira e concreto manchado de vermelhão, técnica ancestral e que tem tudo a ver com o entorno. As janelas pivotantes garantem a ventilação natural dos ambientes. O escritório responsável pelo projeto é liderado por cinco proprietários – Jim Olson, Tom Kundig, Kirsten R Murray, Alan Maskin e Kevin Kudo-King, e contam com uma equipe de mais de 200 pessoas. O Olson Kundig tem sua sede em Seattle e desde 2014, também em Nova York. Os projetos deles são todos lindos e com pegada moderna e acolhedora, com ênfase à integração da natureza e do ambiente construído. Bacana à beça!

Olson Kundig: https://olsonkundig.com/?type=residential

via: Editora Olhares: https://editoraolhares.com.br/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *