O jardim selvagem de Muriel Brandolini II

Os tecidos são um ponto de partida rotineiro no processo de design de Muriel Brandolini, e ela não mede esforços para concretizar sua visão. Quando ela visitou a oficina de bordados de Jean-François Lesage, em Chennai, Índia, ela sabia exatamente o que buscava. “Quero algo luxuoso e pobre”, Lesage se lembra dela dizendo a ele. Embora tenham trabalhado juntos por cerca de 20 anos, a viagem de Brandolini em 2020 foi sua primeira a Chennai. “Adoro a maneira como Muriel se expressa”, diz ele com uma risada. “Preciso e supervago ao mesmo tempo.” A família Lesage borda tecidos desde a década de 1920; O pai e o avô de Jean-François supervisionaram as “petites mains” por trás das coleções de alta costura de Cristóbal Balenciaga, Coco Chanel e Christian Dior. Se alguém conseguiu entender Brandolini, foi Lesage. Os dois designers começaram a pensar em sacos de juta, do tipo áspero e aberto usado para transportar arroz para as paredes do living. Batendo nas portas dos restaurantes locais, comerciantes de grãos e fazendeiros, a equipe de Lesage reuniu mais de 120 deles – “exclusivamente usados”, diz ele, “para que tivessem não apenas um significado estético, mas também um significado filosófico” – que eram então lavados, secos, rasgados e costurados usando 11 fios diferentes, desde o mais fino micrometal até a ráfia parecida com palha. O objetivo não era a perfeição, explica Lesage, mas a espontaneidade durável. “Muriel está feliz com defeitos ou erros engenhosos e bonitos, que ela usa para tornar um projeto único”, diz ele por telefone de seu carro, preso no trânsito da hora do rush e nas chuvas das monções. “Não é o caso de muitos decoradores de interiores hoje em dia, que precisam ser muito eficientes e que se prendem a essa eficiência padronizada. Ela é boêmia no melhor sentido da palavra.” Os revestimentos eleitos pela mentora pelo Labo Design Studio, Raffaella Bortoluzzi, arquiteta responsável pelo projeto da “pousada” Nuno/Muriel, foram alumínio preto e revestimento de cedro, alternados para minimizar o comprimento do edifício. Mas o maior disfarce tem sido a hera inglesa agora subindo pelas paredes e chegando ao telhado, celebrando o lugar da pousada na natureza. Os tecidos são um caso a parte. Brandolini desenha muitos de seus próprios tecidos e tem uma linha comercial que vende no showroom Holland & Sherry em Nova York. “Ela é uma das raras que dá igual importância aos têxteis, em comparação com a marcenaria – isso é muito incomum hoje em dia”, diz Lesage com aprovação. “Talvez essas sejam suas raízes vietnamitas.” Nascida em Montpellier, França, de pai vietnamita e mãe franco-venezuelana, Brandolini (nascida Phan Van Thiêt) mudou-se para Saigon com sua família em 1960, quando tinha 9 meses de idade. Seu pai, advogado, morreu de câncer alguns anos depois, e sua mãe sustentou Muriel e suas três irmãs trabalhando como professora. Embora Brandolini não tivesse paciência para costura e artesanato quando criança, ela prestava atenção às roupas, muitas vezes repletas de bordados florais. Ela tem lembranças nítidas do guarda-roupa de sua mãe e da paleta subtropical do Vietnã, e o hábito de mergulhar em cores fortes permaneceu. “Gosto de pensar que ainda carrego a positividade e a força das pessoas comuns que enfrentaram o verdadeiro horror. Nós saíamos de nossos abrigos antibombas, dividíamos uma tigela de sopa e não falávamos do inexprimível,” diz Muriel. Em 1972, quando ela tinha 12 anos, a família emigrou para a Martinica francófona para ficar perto de seus parentes venezuelanos. Como a mais nova de quatro meninas, Brandolini aprendeu a se contentar com um guarda-roupa herdado. Aos 15 anos, uma oportunidade de estudar em Paris a apresentou aos mercados atacadistas de roupas da Le Sentier, no 2º arrondissement; e Muriel começou a revender roupas em viagens de volta à Martinica e modelar ao mesmo tempo. No início dos anos 1980, morando em Nova York, aproveitou o talento para montar looks e trabalhou para a editora Franca Sozzani na Vogue italiana. Sozzani tornou-se uma mentora, e assim permaneceu após a improvisação de Brandolini na decoração de seu primeiro apartamento após o casamento com Nuno, em 1990, que enlouqueceu os amigos do casal. “Acho que a inovação é o que a move”, escreveu Sozzani, que morreu em 2016, no posfácio do livro da amiga. “Ela não tem uma fórmula. Ela adora misturar peças que parecem não ter nada a ver umas com as outras, embora invariavelmente acabem parecendo pertencer umas às outras,” completa. “Acho que se algo é bonito aos seus olhos, você não precisa justificá-lo”, diz a designer. Brandolini abomina a pretensão, na decocração e nas pessoas. E o verdadeiro luxo, ela parece sugerir, é a liberdade de escolha. “Talvez na minha vida eu esteja fazendo uma declaração pela maneira como eu decoro, mas não”, diz ela. “É apenas a maneira como me sinto.” “Você não pode copiá-la, porque nada é esperado”, sugere Lesage. Em junho passado, quando a casa estava pronta para receber os hóspedes, os Brandolinis decidiram fazer um teste e passaram a noite no quarto com uma faixa de linho verde-relva nas paredes. Quando acordaram na manhã seguinte, ela olhou para o teto branco e soube que havia cometido um erro. “Eu errei”, ela diz, rindo. “Voltei e encomendei tecido para cada teto. Assim você cria um casulo.” Inspiração em estado puro. Divirta-se!

Muriel Brandolini: http://www.murielbrandolini.com/

Raffaella Bortoluzzi: https://www.labodesignstudio.com/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.