O apartamento da designer de interiores Dee Murphy em L.A.

Uma leve luz dourada aquece a sala, buganvílias do lado de fora da janela lançam sombras difusas no sofá. Você pode até ouvir um pequeno gotejar de uma fonte próxima. É assim que é estar dentro do apartamento da designer de interiores Dee Murphy. Localizada em um prédio de 100 anos em uma rua sem saída no centro de Los Angeles, a casa é isolada o suficiente para que os filhos de Murphy (de nove e seis anos) possam correr para brincar, uma raridade nesta cidade movimentada. Dentro do apartamento, os quartos são confortáveis e iluminados pela luz do sol, um sonho na Califórnia. É muito parecido com estar em uma casa – que é o que a família de quatro pessoas de Murphy estava procurando originalmente. Quando ela recebeu uma ligação de seu corretor de imóveis sobre um “apartamento parecido com Paris” com um pátio central e janelas de madeira, Murphy abandonou seu antigo objetivo de encontrar um bangalô para a família. “Liguei para meu marido e disse: “Esta é a nossa casa’”, lembra ela. “Eu senti isso imediatamente.” Mesmo assim, ela sabia que seria um trabalho de amor, em função do estado do imóvel. “Quero que meus filhos vejam cores, arte, textura e calor”, diz a designer, então ela inundou a nova casa da família com lembranças de suas viagens favoritas. Agora, cada sala os transporta para um universo diferente. Envolvida em um papel de parede exuberante e adornada com uma prancha de surfe de madeira, a escada de entrada é uma ode aos bosques e ao nevoeiro do norte da Califórnia, enquanto os beliches no quarto de hóspedes lembram uma cabine de trem retrô. A cozinha é um portal para uma idílica casa de campo inglesa. A inspiração de Murphy foram as viagens da família: tem cerâmica brasileira, e até uma coleção de caixas de fósforos do mundo todo. “Todo designer vai dizer isso, mas viajar realmente faz a energia fluir”, diz ela. Esse senso de design como um processo contínuo em camadas foi fundamental para a visão de Murphy. A designer demorou, passando dois anos desenhando e redesenhando – ela queria esperar e ver como a família deles realmente moraria no apartamento primeiro, para que a função de cada cômodo acomodasse seu estilo de vida. Quando os pais dela os visitam, eles ficam no quarto do beliche: “Eles adoram isso. Eles fecharam esta porta e é como seu pequeno estúdio privado. O living é o ambiente em que mais nos encontramos como família”, diz Murphy. Com duas crianças menores de 10 anos correndo, nada no apartamento pode ser precioso (exceto algumas peças, é tudo vintage). Uma casa despojada, cheia de energia e cor!! 

https://murphydeesign.com/

2 Responses
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.