O apartamento colorido de Rodman Primack e Rudy Weissenberg

Por 20 anos, Rodman Primack e Rudy Weissenberg disseram a amigos que estavam pensando em se mudar para o México. Eles costumavam viajar para lá, e se apaixonaram pelo ritmo descontraído e pela vida cultural locais, se enturmaram, começaram a comprar nas galerias de arte da cidade e fizeram muitos amigos. A amiga Tatiana Bilbao, uma das principais arquitetas do país, estava expandindo seu estúdio na capital e se ofereceu para compartilhar o novo andar com eles. Naquela mesma tarde, eles ouviram falar de um apartamento de dois quartos perto do escritório, em um arranha-céu que admiravam há muito tempo, projetado por Augusto Álvarez no início dos anos 1950 como uma espécie de dormitório para um bairro residencial elegante, onde as viúvas , tias e avós desses residentes vivem. Além de seu apelo narrativo – os dois homens gostam das avós – o prédio foi uma das primeiras torres de apartamentos da cidade no estilo modernista, um período que eles amam. Antes mesmo da assinatura dos documentos, eles sabiam qual seria a espinha dorsal de seu interior: um punhado de peças lisas dos anos 1970 que Weissenberg herdara de seus avós guatemaltecos. Para finalizar, eles decidiram fazer compras localmente. Quando começaram a visitar artistas e designers pela cidade, observa Primack, “percebemos que há muito design no México, mas não havia realmente uma plataforma de vendas adequada. Ficou claro que isso seria algo empolgante para trabalharmos juntos. ”E por que não? A AGO Projects (uma tradução livre do espanhol “eu faço”), representa criadores contemporâneos. “O México é um lugar onde você ainda pode adicionar algo à história, onde pode ter um impacto”,  diz Primack. “Adoramos o feito à mão – para nós, o feito à mão é luxo de fato”, diz Weissenberg. Tapetes personalizados, cadeiras de tecido, cerâmica vintage do mercado de pulgas de Lagunilla e um banco de sisal, se espalham e lotam o apartamento, assim como as peças de alguns dos designers da lista da AGO, entre eles Fabien Cappello, Fernando Laposse e Pedro y Juana. Mais do que uma extensão do espaço do projeto, porém, sua casa é um lugar para mostrar aos colecionadores como é viver com um design contemporâneo aventureiro. Abraçar é a palavra que Weissenberg usa para descrever a abordagem maximalista do casal, principalmente no que se refere à cor. Muitos dos quartos estão envoltos em gradações sutis de uma única tonalidade: verde aloe para o estudo, uma cozinha açafrão, ultramarino no quarto principal, coral no banheiro de hóspedes. “Não entendo por que todo mundo tem tanto medo de usar cores”, acrescenta Weissenberg alegremente. “Acho que a cor correta cria espaço e emoção.” Embora a planta permanecesse intacta, quase todas as superfícies foram substituídas ou refinadas, geralmente para acomodar a coleção de arte do casal. Na sala de estar, em uma parede de azulejos pretos, está pendurada uma pintura de 2018 de Donna Huanca, na sala de jantar, um trabalho monocromático de Jason Yates paira sobre uma mesa de mogno de Lanza Atelier. ”E de seu novo e animado recanto da paisagem da Cidade do México, Weissenberg acrescenta: “O minimalismo é superestimado.” Eu? Adoro!!! 

https://www.ago-projects.com

via: AD Magazine

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *