Leila Diniz

Leila Diniz é um ícone! Linda, engraçada, generosa, autêntica quando não era comum, muito à frente do seu tempo, a atriz é inspiração, desde e para sempre para todas as mulheres que valorizam a condição feminina sem cair em esteriótipos ou preconceitos de qualquer tipo. Nascida em 1945, Leila foi corajosíssima e ocupou seu espaço com a força e a delicadeza de que só quem sabe muito bem o seu lugar é capaz. A coleção da Companhia das Letras “Perfis Brasileiros” nos faz, pelas mãos do autor Joaquim Ferreira dos Santos, enxergar melhor e mais de perto essa mulher/diva incrivelmente moderna desde os anos 1960 e ainda hoje. Leila andava com uma turma que transformou a cultura no Brasil. Vinicius de Moraes, Tom Jobim, Domingos de Oliveira – com quem foi casada-, Irene Ravache, Daniel Filho, Maria Glagys, Paulo José e muitos outros super importantes. Gente inteligente que se encantava com a liberdade de Leila, bastante criticada pela maioria das pessoas, o que causou a recusa de Janet Clair para que Leila, uma das maiores estrelas na época, participasse de uma novela de sua autoria na Globo. Chico Buarque e Marieta Severo, sua melhor amiga, cuidaram da filha de Leila, Janaína, quando um acidente aéreo vitimou a atriz em 1972, até que Ruy Guerra, pai da menina, pudesse assumir a tarefa. Autora de frases antológicas tais como: “Eu trepo de manhã, de tarde e de noite” ou “Eu posso dar para todo mundo, mas não dou para qualquer um” chocaram o grande público e eram a cara de Leila, que falava muitos palavrões, o que também não era “aceitável ou desejável” na época. Símbolo da revolução feminina, Leila era para os fortes!! Leia correndo!

ONDE ENCONTRAR: Companhia das Letras: https://www.companhiadasletras.com.br/detalhe.php?codigo=12377

2 Responses
  1. assim,tudo que é ruim ta frente do seu tempo!!! kkkeu sou livre,mas nao vulgar,nao preciso ser mulher saindo por ahi deitando com todo mundo,reflita tao confundindo que ter liberdade é ser uma mulher sem carater,nem toda mulher é meio Leila Diniz,please!!

    • Oi Paula
      Penso que concordo com Leila no sentido de cada uma de nós pode fazer o que quiser e o que decidir com seu corpo. A mulher deve se comportar como quiser, usar a roupa que quiser, sem ser julgada por isso. Até hoje é difícil aceitar a liberdade, e essa é a maior contribuição desta mulher incrível que foi Leila Diniz. Toda mulher é sim meio Leila Diniz, porque hoje podemos escolher e decidir sobre muitas coisas que eram impensáveis na época em que ela viveu, e todos os que desafiam o “aceitável”, abrem e facilitam o caminho para aqueles que vem depois. Ela tinha orgulho de seu corpo, de seu sorriso. Ela tinha carisma e só se comprometia com a verdade. O que acho lindo!
      Obrigada por prestigiar Hardecor!
      Abraço
      Valéria Coelho

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *