Fabrizio Casiraghi assina apartamento em Paris II

O apartamento, em um edifício de 1900 que foi desenhado para parecer ainda mais antigo, foi comprado por um casal elegante e que não conseguiu lidar com as inúmeras possibilidades da decoração de um espaço já com tantas informações como boiserie, pisos e tetos decorados. O convocado foi Fabrizio Casiraghi, jovem designer de interiores italiano, de apenas 33 anos e que já é sucesso em Paris e na sua Milão natal. Fabrizio trabalhou com a aclamada dupla do Dimore Studio, que usa cores e formas com intensidade e muita sabedoria. Para este imóvel, Casiraghi entendeu que não seria possível adotar algumas das soluções que adora, como afrescos em paredes e tetos. Esse foi um recurso usado no salão Proust, do famoso Drouant, icônico restaurante parisiense que ele acabou de refazer totalmente. Mas quanto mais ele pensava sobre isso, mais ele sentia que esse capricho não funcionaria bem aqui. “Em um apartamento que já é tão decorado por conta própria, é melhor usar algo mais geométrico”, diz Casiraghi. “Então nos inspiramos em Ellsworth Kelly, que é uma referência que sempre vem comigo.” E lá estão elas, duas formas azuis grossas e inesperadas pairando acima de você quando você entra, assustadoras, mas também certeiras. Casiraghi certamente tem o seu toque – sua “patte”, como dizem os franceses. Kelly, afrescos, Wiener Werkstätte, cantos arredondados e laca são alguns elementos que aparecem regularmente, mas você precisa olhar muito para ver o toque Casiraghi. “Não tenho uma assinatura real – se eu tivesse um estilo agora, aos 33 anos, o que faria aos 50? Prefiro me adaptar ao cliente e ouvir muito”, conta ele. Os projetos de Casiraghi começam com um quadro de imagens sugestivas enviadas pelo cliente, e este também começou assim. Mas o moodboard nunca é um conceito fechado. É mais uma placa de sinalização para um destino desconhecido. “O que eu mais gosto em Fabrizio é que ele não voltou com as mesmas imagens que as nossas”, diz a proprietária. Na cozinha, por exemplo, Casiraghi propôs um piso de cerâmica na cor tijolo. Terrazzo é um vernáculo milanês básico há muito tempo – a casa da avó de Casiraghi tinha piso de terrazzo. Ela adorou a ideia, mas em Paris, o terrazzo é uma novidade que está atualmente em seu momento. É um pouco m’as tu vu – “Ei, olhe para mim.” “Não confio em coisas que estão muito na moda”, diz o proprietário, que trabalha no ramo da moda. “É como ver um filme com um ator muito conhecido. Você tem essa história incrível e se vê dizendo: ‘Espere, não é isso? . . . No final, os proprietários sugeriram o uso de tomettes antigos, os azulejos de terracota que você vê em toda a França. “É a versão francesa do terrazzo, mas nunca teríamos chegado lá sem a proposta original de Fabrizio.” Claro, houve alguns empurrões e puxões ao longo do caminho. Quando não há? Particularmente quando personalidades fortes, com fortes preferências estão colaborando, como estavam aqui. “No começo, acho que não foi tão fácil para Fabrizio”, diz madame. “Há o que eu gosto e o que o monie mon mari gosta, e nosso gosto nem sempre é o mesmo. Às vezes é como se estivéssemos em dois países diferentes.” Compromissos salomônicos eram ocasionalmente necessários. Monsieur não gosta muito de borlas, por exemplo. Madame os ama (como Casiraghi). Assim, a borla laranja na grande lanterna do teto na sala de jantar, assinado por Isamu Noguchi, fica pendurada quando as amigas vão jantar e removida quando saem. Principalmente, no entanto, os gostos de todos acabaram convergindo, até o ponto em que ficou difícil dizer de quem era a escolha. “Um amigo nosso veio e disse: ‘Você pode ver que é Fabrizio, mas, ao mesmo tempo, é totalmente você’. Exatamente o elogio que madame estava esperando. Uma casa de fato linda!! Aproveite a vista.

Fabrizio Casiraghi: https://www.fabriziocasiraghi.com/

via: Architectural Digest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *