Em Pigalle, com Jean-Christophe Aumas

Para Jean-Christophe Aumas, só há uma maneira de decorar: instintivamente e sem plano algum. O apartamento do diretor de arte em Paris é uma espécie de laboratório em constante mudança, com uma porta azul Klein para o escritório, uma parede lilás na cozinha e um sofá no meio da sala. “Nada é permanente”, diz ele. “Eu realmente gosto da ideia de mover móveis, repintar uma parede e agrupar objetos de novas maneiras.” O fato de o espaço ficar no andar térreo de um hôtel particulier do século XVIII em Pigalle ajuda muito. Os tetos em forma de catedral, molduras de gesso intrincadas e pisos de madeira em espinha de peixe originais são o que inicialmente encantou Aumas – que chefiou o departamento de identidade visual da Louis Vuitton sob Marc Jacobs antes de abrir sua própria agência, Singular – em sua primeira visita em 2016. “Fiquei impressionado com todos os vitrais e o pequeno pátio”, diz ele. Na verdade, os mosaicos de vidro influenciariam toda a paleta de azuis vívidos, vermelhos queimados e lilases vigorosos“É como viver em um pequeno jardim, o que, para Paris, é raro.” Era único, singular , assim como ele. Só faltava uma coisa: muita luz natural, que Aumas conseguiu adicionando uma claraboia no coração da sala e portas de vidro do chão ao teto que se abrem para o jardim. “Eu queria criar uma ‘pequena selva’ e deixar a vegetação entrar para permitir que os espaços se misturassem”, diz ele sobre o espaço externo propositalmente coberto de vegetação e a coleção de plantas. Todo o resto se encaixou naturalmente – construir momentos memoráveis é o trabalho de Aumas, afinal, por meio de seu trabalho, ele produziu vitrines, cenários e espaços para eventos especiais para marcas como Cartier, Diptyque e Maison Kitsuné. Depois de projetar o espelho de cor cobalto que fica acima da lareira, ele se inspirou para pintar um bloco vertical azul, que começa dentro da lareira e vai até o teto. Na cozinha, Aumas queria misturar seu amor pelo brutalismo com suas memórias de férias na ilha italiana de Procida, então combinou bancadas de concreto – uma referência ao seu prédio favorito, o Barbican em Londres – com uma parede de cor lavanda que o lembrava de verões mediterrâneos. Para adicionar ainda mais contraste entre as superfícies ásperas e lisas, ele usou a madeira da reforma para os armários e os deixou no estado, simplesmente tratando-os com um verniz fosco. O clima litorâneo europeu também está presente no banheiro, onde os ladrilhos de terracota de uma antiga loja de Siracusa, na Sicília, são colocados em listras gráficas. Aumas pintou a metade superior da parede do chuveiro com um rosa empoeirado para fazer o que ele chama de cápsula de chuveiro e trocou uma porta de vidro tradicional por uma divisória decorativa em blocos de concreto. A biblioteca tem um pouco de cobalto ao redor da arcada e acima do radiador para combinar com o tapete marroquino que Aumas adquiriu em Tanger. No quarto, uma estante emoldurada em azul celeste se destaca nas paredes brancas. Mas talvez o espaço que mais chama a atenção seja aquele desprovido de qualquer tratamento de pintura. A sala de jantar, com seus tetos amplos e molduras de gesso, é banhada por um azul tão claro que é quase branco, dando ao espaço uma sensação quase celestial. Móveis coletados em todo o mundo são o que tornam esta casa tão especial para Aumas: um par de cadeiras Carlo Scarpa, uma coleção de cerâmicas vintage dos anos 1950 e uma pintura de Lara Feldman comprada na Cidade do Cabo, para citar apenas alguns. Sua peça preferida, porém, é aquela que reina em tudo: “Sento-me no meu sofá Vincenzo de Cotiis e vejo quase tudo em minha casa”. Linda de tudo, inspire-se!!

Share and Enjoy !

0Shares
0 0
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *