De oficina mecânica à casa descolada em Paris!

A maioria das casas com ambientes integrados não se parece com a de Stéphane Arriubergé e Massimiliano Iorio, e eles preferem assim. Por dois anos, a dupla buscou em vão o apartamento perfeito em Paris, até que uma amiga, a designer Matali Crasset, contou a eles sobre um espaço que estaria à venda em sua rua. Situado no andar térreo de um edifício do século XX nos fundos de um pátio, era originalmente uma oficina mecânica de automóveis e um banho turco – e em um estado “muito caótico” quando eles foram visitá-lo. Mas Stéphane e Massimiliano estavam interessados ​​em potencial e possibilidades, não em uma casa pronta para comprar. Como fundadores da empresa francesa de móveis Mustache, eles fizeram um nome dando vida a móveis descolados, voltados para o futuro. Não demorou muito para que caíssem no feitiço da oficina do mecânico. “Percebemos de imediato a possibilidade de organizar todas as funções da nossa casa ideal num único espaço, totalmente aberto, em que todas as funções se sobrepõem, todas os ambientes conversam entre si, se olham”, diz Stéphane. Eles apenas teriam que adicionar um jardim, porque não havia um. Matali foi então chamada para ajudar a trazer à luz a visão de Stéphane e Massimiliano e, após demolir todas as paredes internas, deram-lhe instruções claras sobre como proceder: “Não construa nenhuma parede, organize este grande espaço imaginando soluções de luz, [e escolha ] móveis de acordo com a escala da arquitetura e não das paredes.” Ela foi em frente. Uma “casa dentro de uma casa” transparente e de vários níveis foi construída sob o teto de 6 metros para conter as funções mais privadas da casa – quarto, escritório e banheiro – mas não para ocultá-las inteiramente. Você pode ver claramente através do banheiro quando está na sala de estar. Existem vários andares, mas eles são mais como aviões entrando e saindo do espaço aberto. Subindo um lance de escadas, você chegará à cozinha e sala de jantar. Situada no bairro de Goncourt, em Paris, a casa fica perto do Canal Saint Martin e das casas de outros criativos contemporâneos como Inga Sempé, cujas obras Stéphane e Massimiliano expõem no apartamento. “Colecionamos objetos há pouco mais de 20 anos”, diz Stéphane, embora eles nunca comprem antiguidades. “Amamos os objetos que parecem nos dizer algo sobre sua época, aquela em que estamos enraizados, objetos que consideramos ‘importantes’ se estiverem relacionados com a história recente dos objetos fabricados ou de design.” Formas geométricas e tonalidades de cor compõem uma cacofonia de delícias visuais: um piso de resina rosa, algumas paredes turquesa e estantes de cozinha que brilham em vários tons de fúcsia por dentro. Mas a sensação geral da casa é brilhante e leve, um refúgio na cidade.

via: AD Magazine; fotos: Gianni Basso

Moustache: https://www.moustache.fr/en/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.