Chiharu Shiota apresenta obra na Japan House, em São Paulo

A Japan House São Paulo recebe o trabalho sensível e singular da artista japonesa Chiharu Shiota. A obra, inédita, batizada de Linha Interna (Internal Line) segue temas universais como relações humanas, sentimentos, memórias, a vida e a morte, tópicos que se destacam ao longo da carreira da artista. Para sua concepção, Shiota se inspirou em uma lenda japonesa que conta que quando uma criança nasce, um fio vermelho é amarrado em seu dedo, representando a extensão de suas veias sanguíneas que correm do coração até o menor dedo de suas mãos. Ao longo da vida, esse fio invisível se entrelaça ao fio de outra pessoa, conectando uma à outra, não necessariamente como amantes, mas de alguma forma que impactará profundamente seus caminhos. Para esta instalação, a artista destaca esse fio que vem do coração e cria um universo de conexões. “Acredito que todos estamos conectados. Você pode não ver isso com seus olhos, mas se pudesse, enxergaria que os humanos estão todos conectados”, afirma. A instalação também evoca a concepção de uma presença física, de um corpo que acumula memórias, representado por meio de vestidos vermelhos que simbolizam a segunda pele, independente de nacionalidade ou cor, que nos acompanha em nossa vida e torna-se o acúmulo das memórias coletadas diariamente. A união desses dois elementos na instalação revela corpos unidos por uma complexa rede de vasos sanguíneos que os conecta. Grandiosa, a obra é composta por três grandes vestidos vermelhos, além de cerca de 10 mil fios penduradas verticalmente, totalizando mais de 34 quilômetros de material. A cor vermelha utilizada na instalação faz referência ao sangue que corre pelos vasos sanguíneos, que gera o fluxo de energia e a conexão entre as pessoas. “É uma grande felicidade apresentar uma obra inédita desta grande artista, sobretudo uma instalação que foi criada a partir de uma visita dela à Japan House São Paulo e que carrega um significado muito poético e profundo”, destaca Natasha Barzaghi Geenen, diretora cultural da Japan House São Paulo. Simultaneamente, o Centro Cultural Banco do Brasil, também em São Paulo, recebe a individual ‘Linhas da Vida [Lifelines]’, que traz uma retrospectiva da carreira da artista com cerca de 70 obras, entre 13 de novembro de 2019 e 27 de janeiro 2020, em parceria inédita entre as duas instituições. As exposições contam com produção da Base7 Projetos Culturais e curadoria de Tereza Arruda. Nascida em Osaka, em 1972, a artista vive atualmente em Berlim. Shiota trabalha questões humanas universais como a memória e existência, e se propõe a redefinir conceitos como memória e consciência, reunindo objetos corriqueiros como sapatos, chaves, camas, cadeiras e vestidos e inserindo-os em enormes estruturas feitas de fios. Explora em suas instalações a sensação de uma “presença na ausência”, mas também apresenta emoções intangíveis em suas esculturas, vídeos de performances, telas e fotografias. Em 2008, recebeu o Prêmio de Incentivo aos Novos Artistas, do Ministério de Educação, Cultura, Esportes, Ciência e Tecnologia do Japão. Seus trabalhos têm sido expostos em instituições como: Museu de Arte Mori; Gropius Bau; Galeria de Arte do Sul da Austrália; Parque de Esculturas de Yorkshire; Usina de Arte, Xangai; K21 Kunstsammlung Nordrhein-Westfalen, Düsseldorf; Galeria Arthur M. Sackler da Smithsonian Institution Museu de Arte de Kochi; Museu Nacional de Arte, entre outros. Em 2015, Shiota foi escolhida para representar o Japão na 56ª Bienal de Veneza. A exposição é, como tudo na Japan House, modelo imperdível! De 13 de novembro 2019 a 02 de fevereiro de 2020, com entrada gratuita. Anote!!

Chiharu Shiota: https://www.chiharu-shiota.com/

Japan House: https://www.japanhouse.jp/saopaulo/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *