As cores de Van Eyck no Design Museum Ghent I

Em homenagem ao ano de Van Eyck, o Design Museum Ghent está realizando uma grande exposição caleidoscópica que mostra o uso inovador e diversificado da cor no design contemporâneo. Começando com o hábil uso da cor pelo Mestre Flamengo, destacado no recentemente restaurado “Adoração do Cordeiro Místico” (mais conhecido como Retábulo de Ghent), o projeto reúne mais de 100 obras contemporâneas que correspondem ou são diretamente inspiradas por Jan Van Eyck e suas cores. Intitulada “Kleureyck: Colors in Design, de Van Eyck ”, a exposição é uma coprodução com o lille3000 como parte da Lille Métropole 2020 World Design Capital. Os curadores Siegrid Demyttenaere e Sofie Lachaert selecionaram um grupo diversificado de designers internacionais estabelecidos e emergentes que trabalham em vários campos do design, desde design de produtos e móveis a têxteis, cerâmicas, agrupando seu trabalho por cores para criar uma “jornada do pigmento” baseada em 13 detalhes expressivos do retábulo de Ghent. Além disso, os visitantes podem explorar vários projetos de pesquisa que tentam responder a perguntas enganosamente simples, como criar cores, enquanto 11 salas de experiência investigam o efeito da cor em nossos sentidos, convidando os visitantes a ver, ouvir, provar e sentir cores. Van Eyck era um virtuoso das cores, conhecido por sua técnica inovadora, que usava camadas de esmaltes transparentes e coloridos, além de tintas a óleo, o que dava a suas pinturas uma extrema luminosidade e saturação de cores. Suas habilidades técnicas inovadoras eram um produto de seu conhecimento científico – ele sabia tudo sobre refração e reflexão da luz e era versado em física, química e teoria da perspectiva – todas desenvolvidas em resposta a perguntas que os designers contemporâneos enfrentam até hoje, como: como você deixa o espectador sentir do que são feitas as coisas materiais? Como você dá profundidade de cores? Quais pigmentos você usa para quais tonalidades? Como você direciona o olhar do espectador? Concebida como uma caminhada pelo universo de cores de Van Eyck, a parte principal da exposição está estruturada em torno de 13 detalhes da Adoração do Cordeiro Místico , cada um focando em uma cor específica e sua relação com a luz, material, padrão e espaço – de uma sombra negra, a capa azul-escura de Mary, os telhados vermelhos da medieval Ghent, o bronze brilhante de uma cadeira, as suntuosas texturas da chapelaria de veludo e peles e as asas macias do arcanjo Gabriel. Cada seção abrange uma seleção de obras contemporâneas que ecoam, constroem ou se baseiam no efeito particular de Van Eyck. Ao mesmo tempo, as obras se cruzam com outros aspectos do retábulo do pintor, como simbolismo, artesanato, exibição de materiais e transparência. Tomemos, por exemplo, a representação realista de uma túnica de cor nude no painel inferior do retábulo de Van Eyck, refletida de forma evocativa nas ondulações do tecido da obra de cerâmica de Marie Filippa Janssen e nos objetos drapeados de Ying Chang feitos de papel e cola. Enquanto isso, o mesmo detalhe ecoa na “Hortensia Chair”, inspirada em flores de hortênsia de Andrés Reisinger . Designers como Janssen, Chang e Reisinger se concentram na materialidade da cor, enquanto outros exploram o efeito da cor na percepção. O acabamento multicolorido da mesa de centro de vidro “Shimmer” de Patricia Urquiola aproveita a refração da luz em homenagem à auréola de Van Eyck, que enquadra o Espírito Santo em forma de pomba no painel central da Adoração ao Cordeiro Místico. Efeitos semelhantes também podem ser observados nos gradientes de cores das telas dos alemães Ermičs, “Low Horizon Screen” e dicróicas de Dawn Bendick , que mudam de laranja ou rosa quente para dramático verde e azul neon. Gostou? A exposição vai até 21 e fevereiro de 2021, no  Design Museum Ghent, então, agende-se. Tem mais no próximo post, fique atento.

https://www.designmuseumgent.be/

via: Yatzer

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *