A reforma em Paris revela afrescos de cerca de 1780

A reforma em Paris revela afrescos de cerca de 1780 neste apartamento em Saint Denis. Era para ser apenas um projeto de renovação para a arquiteta parisiense Agathe Marimbert. Seus clientes eram compradores de primeira viagem, um jovem casal que havia recentemente se mudado para seu apartamento no segundo andar de um edifício do século XVIII, no 10º arrondissement, e que se decidiram por um upgrade no imóvel. O trabalho estava em pleno andamento; os construtores estavam ocupados abrindo paredes quando, de repente, as coisas pararam inesperadamente. Algo estava escondido atrás das paredes, e não era amianto. “Durante a reestruturação do apartamento, deparamos com o que parecia ser uma série de afrescos de apoiadores clandestinos da revolução francesa, que os proprietários anteriores haviam encoberto durante a instalação de um banheiro”, conta Marimbert. “Foi reabrindo este espaço fechado entre o que hoje é a cozinha e a sala (que pensamos ter sido uma porta dupla) que descobrimos vestígios de algo espantoso por baixo da pintura”. Marimbert conta: um grande afresco adorna o que agora é a cozinha do apartamento e retrata várias cenas. À esquerda está a cena de uma surra pública ou “bastonada” como é conhecida em francês. Em primeiro plano, um nobre está sendo espancado por uma mulher de lenço na cabeça e avental. Outra mulher do clero, talvez uma freira (combinando com a atmosfera anti-religiosa da revolução) é vista implorando pela misericórdia de outra mulher, que a está espancando com juncos. Acima dessa cena estão outros símbolos mais claramente ligados ao tempo da revolução: uma sangrenta guilhotina, que acaba de cumprir sua função. Parte do afresco se perdeu, mas podemos imaginar uma cabeça rolando para dentro da cesta. Também encontramos todos os símbolos icônicos da revolução, a bandeira e o cocar da França. Podemos ler duas inscrições que se traduzem em “unidade, indivisibilidade da república, liberdade, igualdade, fraternidade ou morte” e “rompemos com as superstições religiosas e colocamos a fé no ser supremo e na racionalidade do iluminismo”. Outros símbolos notáveis ​​de resistência que vemos são o boné frígio (que Marianne usaria mais tarde), o olho maçônico (uma referência ao Ser Supremo), baionetas e forcados (lembrando-nos que as classes mais baixas lutavam com tudo o que estava disponível para eles). Existem representações de funcionários públicos romanos conhecidos como lictores, que normalmente eram responsáveis ​​por fazer cumprir as decisões dos tribunais. Tendo também sucedido a monarquia, a república romana foi uma fonte constante de referência para os revolucionários. Uma terceira cena retrata o ataque a uma mansão por uma tropa munida de um canhão. Os atacantes são encorajados por um violinista em primeiro plano, que imaginamos pode tê-los conduzido com um hino revolucionário como La Carmagnole. Nossos fabricantes de baús podem muito bem estar por trás dos afrescos. É comumente sabido que a grande maioria dos revolucionários eram provincianos, artesãos em particular, liderados por grandes atores de um movimento político conhecido como Clube dos Jacobinos. O edifício, segundo os registros, costumava ser a sede comercial de uma confraria de fabricantes de baús. “O que agora é o apartamento dos meus clientes”, conta Agathe, “no segundo andar, seria o escritório da empresa. Trouxemos um restaurador experiente que já restaurou achados do século XVIII, mas tem sido uma luta identificar e datar totalmente o afresco sem uma assinatura. Em uma pintura, normalmente temos mais pistas, como a moldura, o suporte da tela, etc. Sempre há a possibilidade de que ela tenha sido modificada ao longo do tempo antes de ser eventualmente coberta. Esta é a primeira vez que isso acontece comigo e não conheço nenhum profissional que tenha encontrado algo assim em seu trabalho aqui em Paris. É incrível que o dono anterior tenha pintado sobre, como se fizesse questão de não danificar muito os afrescos enquanto os escondia. Em geral, as pessoas mantêm afrescos (especialmente aqueles no teto que são mais frequentes e recentes) ou os destroem completamente lixando-os. Infelizmente, nossos construtores já haviam perfurado partes da parede antes que os afrescos ocultos se tornassem aparentes, mas assim que perceberam traços de algo sob as camadas, eles me chamaram. Felizmente, meus clientes são muito apaixonados por história. Não posso dizer que muitos outros clientes teriam optado por manter esses afrescos porque eles têm uma presença visual muito forte“, completa. Sempre se deve levar um especialista para obter uma opinião sobre o que você está descobrindo, mas, infelizmente, é raro que os interiores estejam protegidos, o que muitas vezes permite que os proprietários revistam carpintarias, decorações pintadas e esculturas. “Em nosso caso, se os proprietários anteriores tivessem deixado algum tipo de registro do que estava por baixo das camadas, quem sabe o que mais poderíamos ter encontrado. O apartamento inteiro pode ter sido coberto por grafites do século XVIII. O que infelizmente perdemos está perdido para sempre, mas pudemos recuperar e limpar alguns dos elementos danificados e lhes fazer justiça, explica a profissional. Certamente descobertas como essa aumentam o valor e o prestígio do apartamento. Os edifícios Haussmann podem conter menos surpresas, mas os edifícios mais antigos certamente ainda devem conter algumas pepitas à espera de serem desvendadas. Esse tipo de descoberta ancora o projeto em um contexto histórico e conferem a ele muito mais significado. Super bacana!  

Share and Enjoy !

0Shares
0 0
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *