Um apartamento de apenas 47 m². Bacana à beça!!

Apesar de sua transformação, Lavapiés continua sendo um dos bairros em que ainda sobrevive o mais tradicional de Madri. Um bairro simpático e acolhedor onde a maioria dos edifícios, a partir do século XIX, são os mesmos da mítica Madri galdosiana, na qual a vida de seus habitantes e o próprio planejamento urbano eram governados por uma lógica muito diferente do atual. O arquiteto Raúl Almenara foi convidado para transformar para a jornalista Juanra López um apartamento desatualizado de menos de 50 metros quadrados, em uma casa de design contemporâneo que valoriza o passado popular do bairro. “É um projeto que não distingue entre disciplinas como design de interiores, arquitetura e belas artes. Eu acho que é mais perto do cenário do que da decoração”, diz Almenara. Com a intervenção, onde antes havia seis salas diferentes e pequenas, foi criado um espaço diáfano, no qual tudo gira em torno de uma grande caixa retangular que contém o necessário para o dia a dia. “Surgiu como uma interpretação contemporânea dos elementos mais característicos das casas desta época”, diz o arquiteto. Assim, o módulo é dividido em diferentes usos. No centro, a cozinha, talvez o lugar mais importante na casa do século XIX, e no século XXI, a lareira clássica se tornou um exaustor de filtro de carbono. Em um de seus extremos, o que Almenara chama de grande móvel se abre para criar uma revisão moderna da velha cama de dossel, enquanto no outro havia uma prateleira para a sala de estar, concebida como “um aceno para nichos tradicionais que serviu de armazenamento” que contém livros e televisão. Além disso, em um dos lados, foi criado um grande armário, localizado ao lado do banheiro, o único espaço separado do resto. A anedota mais curiosa surgiu quando em plena reforma, ao recuperar as vigas e pilares de madeira originais, o arquiteto encontrou uma pequena janela escondida, que se conectava ao banheiro. Coincidentemente, estava alinhado com o espaço retangular projetado por Almenara, que une a cozinha e o closet, e é inspirado pelas pequenas aberturas nas paredes que ligavam os cômodos das casas do século XIX. “Eles eram algo muito típico e serviram para proporcionar uma transversalidade interna, proporcionando maior fluidez espacial”, explica ele. O trabalho sempre aconteceu levando em consideração o legado centenário da história do apartamento. A estrutura de madeira foi recuperada, escondida por décadas por argamassas, rebocos e pinturas, e as portas originais foram pintadas com um cinza esverdeado, da mesma cor que as paredes e os tetos. Em apenas 47 m². Bacana à beça!! 

ONDE ENCONTRAR: Papéis de parede: https://www.wallpaperfromthe70s.com/: Vasos, objetos e tapetes: https://www.westwing.com.br/campaign/; https://www.zarahome.com/br/

via: AD Espanha

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *