A casa linda de Pierre Hardy e Christopher Turnier na Ilha de Saint-Louis II

Pierre Hardy e seu marido Christopher Turnier (CEO da Pierre Hardy), se deram conta que encontraram o lugar perfeito assim que entraram neste maravilhoso apartamento do século XVII com vista para o Sena na Ilha de Saint-Louis, uma pequena ilha no meio de Paris, agora lar de ambos. Hardy é super exigente, mas se rendeu imediatamente, assim como desde o primeiro instante souberam que precisavam recrutar o milanês Vincenzo De Cotiis para trazer a decoração para o século XXI. Em termos de arquitetura, houve o que Turnier chama de “uma grande limpeza”. Eles removeram os acréscimos da última reforma do apartamento nos anos 1970 e o restauraram, buscando recuperar uma aparência mais semelhante ao original (a propriedade como tal foi construída por volta de 1645 pelo arquiteto Louis Le Vau para Antoine Lefèbvre de la Barre, Membro do Parlamento). Os pisos de madeira originais (que foram desmontados e enviados à Itália para restauração), os intrincados baixos-relevos e as molduras entalhadas também foram recuperados. Mas De Cotiis equilibrou este classicismo do século XVII com toques claramente modernos: vários revestimentos, nas paredes de gesso, na cozinha, em fibra de vidro preta fosca e nos pisos de mármore travertino. Mais significativamente, um lambril de latão prateado foi adicionado a muitos dos quartos que, junto com muitos espelhos, novos e antigos, podiam refletir a luz natural e as maravilhas arquitetônicas do espaço. “Estamos totalmente voltados para o sul, portanto, durante o dia, a luz desempenha um papel fundamental em toda a casa”, explica Turnier. De Cotiis se esforçou para criar uma casa que se encaixasse no estilo de vida Hardy e Turnier. “A cozinha é bastante pequena porque não temos jantar para 12 pessoas todas as noites”, explica Hardy, que também confessa: “Odeio salas de jantar: são aborrecidas e estão sempre vazias”. O casal preferia espaços que pudessem ser transformados dia a dia, por isso de Cotiis criou uma série de salões – grandes áreas de transição para trabalhar, relaxar, comer e se divertir – onde passam a maior parte do tempo. Os pertences pessoais do casal são bastante minimalistas, tornando-os um excelente complemento para antiguidades do século XVIII e peças de mobiliário elegantes desenhadas por De Cotiis . No quarto, um querubim flutua nas nuvens sobre gravuras de Sol LeWitt e uma cama monumental personalizada que De Cotiis fez de fibra de vidro pintada à mão. Na grande sala, mesas feitas sob medida são misturadas com poltronas do século XVIII, um sofá de latão folheado a prata e lâmpadas de mármore dos anos 1960 de Tobia Scarpa. A pintura de Daniel Arsham – um busto clássico com cubos no lugar dos olhos – olhando por cima do sofá incorpora uma metáfora perfeita para o lugar: uma história vista através de uma câmera lenta mais moderna. Hardy e Turnier, entusiasmados com esta pausa do agitado mundo da moda, encontraram seu parceiro criativo em De Cotiis. Os três gostaram de passar longas horas discutindo o tom exato de preto para o couro do sofá da sala ou tomando decisões conjuntas, como pintar à mão o tecido do estofamento do sofá que fica ao lado da janela para refletir perfeitamente a cor do Sena. O rio parisiense se tornou quase uma extensão do apartamento, um brilho sempre presente através da janela, uma barreira protetora entre sua casa e o mundo exterior. Hardy, cuja família materna é natural da Córsega, adora o paradoxo desta ilha urbana. “Fica no meio de Paris, mas, ao mesmo tempo, é isolada.” Lindo até! 

Pierre Hardy: https://www.pierrehardy.com/

Vincenzo De Cotiis: https://www.decotiis.it/

via: AD Magazine

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *